Thomas Dodd e sua Fine Art

Thomas Dodd - Fotografia de Belas Artes
Thomas Dodd - Fotografia de Belas Artes

O fotógrafo de arte contemporânea, Thomas Dodd descreve como fez carreira na fotografia fine art.

Não era nada que ele tivesse em mente. Mas de repente ficou perfeito. “O maquiador trouxe a modelo para me mostrar a maquiagem, e a modelo tinha cachos quentes no cabelo”, explica o fotógrafo Thomas Dodd . “Eu estava tipo, ‘Oh, oh, venha aqui, venha aqui, venha aqui!”

Thomas Dodd - Fotografia Fine Art
Thomas Dodd – Fotografia Fine Art

A modelo não achou graça, ele admite. “Ela fica tipo, ‘Não acredito que ele está tirando uma foto minha’”. Mas o retrato do perfil que ele fez serviu de base para o que ele considera seu primeiro trabalho icônico, “Brainstorm”. E se tornou o catalisador para a construção de sua reputação como um artista visual.

No pós-processamento, Dodd tirou uma amostra de uma foto que ele fez de lenha e meticulosamente moldou cada tora para cada rolo no cabelo da modelo, em seguida, construiu isso para criar uma pilha. “Enquanto fazia isso, pensava em um conceito que os músicos de jazz usam, chamado ‘woodshedding’”, diz Dodd. Um novo artista entrará em uma jam session apenas para descobrir que suas habilidades não estão à altura. “É como cortar a cabeça. Eles envergonham você ”, diz Dodd. “Se você realmente quer melhorar, retire-se para o seu quarto e faça o depósito de lenha. Você fica melhor. Você pega seu jeito”.

“Eu vejo a arte da mesma maneira”, diz Dodd. “Na evolução de um artista, é fácil ser pego em [acreditar] que é assim que eu faço as coisas e é assim que eu crio e esse é o meu estilo. Às vezes, então, isso se torna os louros sobre os quais você descansa, para de progredir e começa a desacelerar. ”

“Brainstorm” foi um passo à frente. “Fiz isso em 2010 e me chamou a atenção”, diz ele. Foi então que a fotografia de arte de Dodd começou a surgir em nível nacional.

Brainstorm - Thomas Dodd
Brainstorm – Thomas Dodd

Primeiro música
A carreira de Dodd como artista começou com o punk rock dos anos 1980, que o inspirou a aprender violão, iniciar várias bandas e, eventualmente, levá-lo à harpa celta e a um grupo dos anos 1990 chamado Trio Nocturna. A banda lançou três discos, fez turnês e conquistou uma base de fãs, mas no início dos anos 2000 havia parado de se apresentar. Foi um período sombrio, diz Dodd, que naquela época já trabalhava com música há 25 anos.

“Acho que foi por volta de 2005, eu estava brincando na internet e encontrei um site chamado yafro.com, hoje extinto”, diz ele. O site tinha um componente chamado mod clubs que permitia aos usuários fazer upload de fotos de si mesmos que qualquer um poderia editar. “Fiquei muito intrigado com isso e, no início, foi divertido brincar”, diz ele. Depois de alguns meses usando o Photoshop, Dodd percebeu que a maneira como se sentia editando fotos de clubes de mod é a mesma que se sentia ao fazer música. “Eu tinha encontrado minha paixão novamente”, diz ele. Então, em 2006, ele começou a levar a fotografia a sério, comprou sua primeira câmera e começou a trabalhar com modelos. “E é isso que tenho feito desde então”.

Thomas Dodd - Fotografia Fine Art
Thomas Dodd – Fotografia Fine Art

Arquetípico
O estilo de Dodd evoluiu a partir das primeiras manipulações do mod club. Com essas imagens, “eu queria ver se poderia pegar um tipo de selfie mundano e transformá-lo em uma obra de arte”, diz ele. Naquela época, as fotos da webcam que as pessoas costumavam enviar eram muito pixeladas, então ele encontrou maneiras de esconder essas falhas e, ao fazer isso, desenvolveu uma certa aparência. “Acho que quase desde o início – embora certamente tenha levado anos para desenvolver o estilo – minha abordagem era voltada para a criação de obras de arte e pintura”.

Dodd diz que sempre gostou de contar histórias, recorrendo a mitos e conhecimentos históricos para guiar seus conceitos, criação de imagens e edição. Quando criança, ele adorava contos como “Rumpelstiltskin” e “Rip Van Winkle;” quando adulto, ele estudou os escritos do mitologista Joseph Campbell, que “ligou tudo a arquétipos”, explica Dodd. “Existem essas histórias, existem esses símbolos que estão embutidos em nossa consciência. Se você olhar para todas as culturas e civilizações antigas, verá esses temas comuns”.

Esses temas – “um poço que nunca seca”, diz ele – fazem seu caminho para a arte, às vezes propositalmente, às vezes não. “É um depósito muito vasto de informações criativas. É como ter um plano de criatividade em que você pode colocar seu próprio toque”.

Embora Dodd frequentemente planeje sessões – modelo, guarda-roupa, maquiagem, cenários – com um certo mito ou história em mente, assim que a sessão começa, ele segue seus impulsos criativos. “Gosto de chamá-lo de um conceitualista improvisado”, diz ele.

Thomas Dodd - Fine Art
Thomas Dodd – Fine Art

 

Siga sua alegria

Ele também permitiu que sua intuição guiasse sua carreira. Quando Dodd começou a fazer fotos, ele considerou a fotografia comercial, conseguindo alguns shows de música e na moda. Mas ele se sentiu sufocado trabalhando em prol da visão de outra pessoa.

Thomas Dodd - Fotografia Fine Art
Thomas Dodd – Fotografia Fine Art

Dodd tem alguns conselhos para quem deseja viver da fotografia Fine Art

Em relação aos preços
Sempre tenha preços consistentes. “Você deveria ter os mesmos preços em São Paulo no Rio e na Bahia”, diz Dodd.

Sobre tiragens limitadas
Evite produzir tiragens limitadas de uma mesma imagem com diferentes dimensões. Por exemplo, você tem uma imagem e faz uma tiragem de 25 para o tamanho A2, uma tiragem de 25 para o A1 e uma tiragem de 25 para o A4. Isso não funciona, faça apenas em último caso e com poucas imagens. O correto é uma imagem só ter uma tiragem em tamanho único, no mercado aparece esse erro com frequência, mas é aquela história, uma mentira contada várias vezes se torna em uma verdade.

Outra dica importante
Nunca venda diretamente para um colecionador. Se sua arte for representada por uma galeria, a galeria recebe uma parcela do preço de venda. Às vezes, um colecionador tenta comprar uma peça diretamente do artista e elimina o intermediário. Não faça isso. É tentador, mas pode fazer com que você seja rejeitado nos círculos da galeria. Você sempre deve direcionar o comprador para a Galeria, e se mesmo assim ele insistir, combine antes com seu galerista, repartam a comissão, é sempre bom uma conversa antes de uma ação de venda.