Marketing para artistas

marketing artistas

Marketing para artistas: vender ou não vender, eis a questão. Quem não se lembra da Milena do Enem? Um clássico dos memes, lá em 2013 um vídeo mostrava uma suposta candidata do Enem que queria vender sua arte na praia, será que ela conseguiu? Bem, brincadeiras a parte, vender sua arte sempre foi um ponto delicado para boa parte dos artistas. A atenção, geralmente, fica mais voltada para a criação e as outras questões acabam sendo preteridas. Outra preocupação é ter seu trabalho visto como um produto comercial e não como uma obra de arte.

Estamos em pleno século XXI e eu creio que este imbróglio não deveria nem existir mais. Algumas pessoas diriam até que é “cringe”. A menos que você produza e distribua sua obra gratuitamente, aí é outro caso, seja em uma galeria de renome, na sua galeria online ou na praia o destino da obra, no nosso sistema atual, é a venda. Superada a questão comercial, vamos conversar um pouco sobre marketing para artistas.

O marketing nos oferece algumas ferramentas que nos ajudarão na tarefa de comercializar nossas obras. Com algumas adaptações, visto que ele normalmente trata de produtos em geral ou serviços, podemos ter um norte, uma orientação para conseguirmos chegar até a venda de uma maneira mais fluida.

Existe um conceito chamado mix de marketing (ou composto de mkt), criado pelo professor Jerome McCarthy e difundido mundialmente por Philip Kotler, que de maneira resumida consiste nos 4 P´s: Produto, Preço, Praça e Promoção. Uma boa estratégia de vendas começaria com a definição dos 4 P´s. Nossa tarefa agora é pensar nesses 4 conceitos voltados para trabalhos artísticos.

marketing para artistas

1) Obra (Produto)

Aqui você vai definir do que se trata a sua obra. Algumas questões para ajudar nessa definição:

– Qual é a arte que eu produzo? Pintura, gravura, escultura, cerâmica, fotografia, fotolivro, livro de artista, etc.

– Para quem eu produzo? Qual meu público-alvo? – Eu sei que neste item a tentação de responder: “eu produzo para mim” é grande, mas pense nas pessoas que experienciarão sua obra.

– Por que? Por que eu produzo? Por que minha produção é importante? Quais os diferenciais?

– Onde? Onde as pessoas vão colocar minha obra? Em quais ambientes? Ela pode ficar em um espaço externo? Precisa ficar protegida da luz?

2) Valor (Preço)

Essa é uma dúvida que geralmente nos aflige. Quanto cobrar? Precisamos ser práticos. Neste cálculo precisamos levar em conta: qual o custo para a produção da peça? Quanto eu gasto com materiais ou serviços de outras pessoas. Quais as minhas despesas fixas? Tenho um ateliê/estúdio? Pago aluguel ou tenho assistentes? Qual o valor da minha atuação? O quanto eu estudei e me preparei para chegar até aqui, quanto isso vale? Hospedagem de site, criação de galeria online? Preciso investir em divulgação, qual o valor que será destinado para isso?

Eu vou me demorar um pouco mais neste item, pois eu penso que ele é fundamental. Quando tratamos de produtos ou serviços precisamos analisar os valores praticados pela concorrência para determinar nossos preços. Isso não acontece com relação a obras de arte, não faz muito sentido, se eu sou uma pintora, verificar qual os valores praticados por outras/os que seriam meus “concorrentes”, cada obra é única. Mas uma coisa que precisa ser levada em conta é a experiência. As bagagens de um artista iniciante são diferentes de outra com mais experiência.

Outra coisa importante com relação ao preço é qual o seu objetivo? Você pretende abrir uma galeria virtual e fazer dela sua principal fonte de renda? Ou ela será responsável apenas por uma complementação de renda? Ou ainda ela vai começar como complementação e posteriormente se tornar a principal? Em todos os casos será necessário estabelecer uma meta: preciso vender x para arrecadar y, tenha isso sempre em mente ou as contas não fecharão no final.

3) Lugar (Praça)

Aqui se define onde as pessoas encontrarão a sua obra para adquiri-la.

– Será em uma galeria online?

– Será na loja do meu site/portfólio? Ou num marketplace?

– Terei a opção de venda via whatsapp?

– Terei alguma parceria com showroom físico? Ou vou alugar um espaço físico, mas também venderei via internet.

4) Divulgação (Promoção)

Aqui serão definidas as ações de divulgação, como por exemplo:

– Utilização de marketing de conteúdo

– Posts patrocinados nas redes sociais

– Collabs ou parcerias (do tipo ganha-ganha)

– Utilização de material offline

– Assessoria de imprensa/RP

Lembre-se que a escolha precisará se basear no público-alvo que foi definido lá no primeiro P.

Atualmente existem outros P’s, mas creio que com os 4 apresentados já é possível rascunhar uma estratégia de marketing. Invista em um site/portfólio ou galeria virtual, desenvolva uma identidade visual e esteja presente nas redes sociais. Você eventualmente terá que aparecer, não tenha medo/vergonha. Compartilhe conteúdos de qualidade e que gere valor para seu nome e suas criações. Permita-se passear por assuntos diferentes, mas que estejam em sintonia com a sua produção e com o seu público. Tenha cuidado com o pós-venda, oriente seus compradores com relação ao correto manuseio, instalação e demais itens de conservação. A internet proporciona muita autonomia para artistas, use essa ferramenta a seu favor.

Escrito por

Tem se dedicado aos estudos de fotografia e imagem desde 2005. Está sempre com os olhos abertos, ouvidos atentos, imaginação fértil e a língua afiada.