Fotografia Fine Art e Redes Sociais

Fotografia Fine Art

As redes sociais são ferramentas importantes de interação, presentes ao alcance de um toque, permeiam nossas relações pessoais, família e amigos, e possibilitam a ampla presença de empresas e marcas que procuram aumentar a visibilidade de seus produtos e serviços. Como diz o velho adágio: quem não é visto, não é lembrado, e isso parece ser verdade em um momento em que a maioria das pessoas recorrem ao Google para obter informações sobre os mais variados assuntos e pessoas. É como se a existência física precisasse vir acompanhada da sua versão digital. No campo das artes não poderia ser diferente, artistas utilizam essas plataformas para divulgar seus trabalhos e também como uma maneira de estar mais perto de seu público, e quando pensamos em fotografia logo nos vem à mente o Instagram, não é mesmo?

 

Fotografia Fine Art

 

A internet está cheia de conteúdos sobre redes sociais, não é difícil encontrar sites especializados, baixar e-books e outros materiais que nos auxiliam a escolher uma estratégia e desenvolver um bom trabalho nas redes. Acredito que não precisamos chover no molhado aqui, pelo menos com relação às essas questões mais “burocráticas”, e podemos focar em outros aspectos também importantes.

1) A/o fotógrafa/o precisa estar nas redes sociais? Alguma referência na internet é necessário ter. Existem artistas de renome que nem um site oficial possuem, mas quando pesquisamos aparecem vários links de galerias, exposições, institutos, notícias, Wikipédia e afins. Não possuem página no Facebook ou perfil no Instagram, não precisam, mas eu diria que são exceções. Pelo menos um site, ou blog, com informações, portfólio e contato é preciso ter para começar.

2) Tenho um site/blog e agora? Você vai precisar de visitantes e aqui entram as demais redes sociais. Elas irão (ou pelo menos deveriam) servir como um meio de proporcionar mais visibilidade e divulgar o seu trabalho. Com uma página no Facebook será possível criar uma conta do tipo empresa no Instagram. Isso é importante pois essa modalidade trás informações com relação ao perfil do público, quais os melhores dias/horários para fazer postagens, adicionar ações como enviar email ou telefonar e etc.

3) Tenho site, Facebook e Instagram, agora as pessoas irão me conhecer? Algumas sim! O Facebook e por extensão o Instagram são empresas e precisam faturar. O alcance orgânico de publicações em páginas do FB está em + ou – 2%, no IG em torno de 7%. O número de usuários aumentou e automaticamente a quantidade de conteúdo compartilhado, não é possível ver tudo de todo mundo e é aí que entra o famoso algoritmo, é ele que vai determinar quem vai ver ou não. Uma maneira de aumentar o alcance é impulsionar as publicações, o que envolve custo.

4) Produzir conteúdo dá trabalho e demanda tempo e planejamento. As publicações do IG podem ser compartilhadas no FB, mas ainda que parte do trabalho seja poupado, você ainda terá que pensar em que fotos compartilhar, nas legendas/descrições, a localização e as benditas #hashtags. Existem alguns aplicativos que buscam quais #’s estão em alta e elas realmente ajudam a subir, ainda que de maneira modesta, o alcance das suas publicações. Montar um calendário de postagens pode ajudar bastante. E não se esqueça dos vídeos, stories e IGTV, são ferramentas que também auxiliam o engajamento.

5) Existem mais redes interessantes? Sim, Twitter e Pinterest podem ser mencionados além de redes específicas de fotografia como o 500px e o Flickr. Cada uma possui características e públicos diferentes. Quando for pensar em uma estratégia de redes sociais é bom ter isso em mente. Muitos usuários do Twitter não possuem Facebook, as postagens do Instagram são diferentes dos Pins do Pinterest e assim por diante.

 

Fotografia Fine Art

 

6) Eu sempre leio que é necessário estar sempre postando coisas novas para aumentar o engajamento com o público. Isso não é mentira, mas isso se torna uma tarefa complicada quando não podemos ter alguém que faça isso pra gente. A maioria precisa fotografar e alimentar as redes sociais. Minha dica é: privilegie a qualidade e não a quantidade.

Em 30/04 o anúncio de testes com o fim dos likes no Instagram deixou os usuários da rede em alerta. Não é bem o fim, na verdade os likes continuarão a existir, mas só os donos das publicações conseguirão enxergar o número de curtidas que elas tiveram. Segundo os representantes do FB isso seria para privilegiar a qualidade do conteúdo e não quantidade de curtidas. Sabemos que as redes sociais têm o seu lado ‘não tão bom assim’ e que elas vêm sofrendo críticas bem severas, seja por contribuir com problemas de ansiedade ou depressão, por exemplo, ou por disseminar informações falsas. Existe um movimento para as pessoas largarem um pouco os celulares e voltarem a estar mais com as pessoas ‘ao vivo’. Essa discussão mereceria um post separado, mas como meu espaço acabou, vou deixar só mais um ditado para encerrar e provocar reflexão: o que diferencia o remédio do veneno é a dose. Ainda irei abordar mais algumas redes nos próximos posts. Até semana que vem!

 

Fotografia Fine Art

 

 

Escrito por

Publicitária com especialização em fotografia, blogueira e atualmente estuda Ciências Sociais. Está sempre com os olhos abertos, ouvidos atentos, imaginação fértil e a língua afiada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *