Fotografia 360°: alguns aplicativos para exposições virtuais

Fotografia 360

Estou de volta! Primeiro post depois de um gap e não tem como não mencionar o louco ano de 2020. Muitas perdas, incertezas e tristeza também. Os desafios continuam em 2021, a crise desencadeada pela pandemia ainda está ativa e continuamos com a necessidade de nos cuidarmos e rever uma série de atitudes e valores. Muitos setores foram golpeados e, como não poderia deixar de ser, a arte também teve suas baixas. Com a necessidade do isolamento social várias modalidades como shows, teatro, exposições, e afins, foram totalmente paralisadas. As saídas, para compensar um pouco, foram as interações via internet: lives, tour virtual por algumas exposições e streamings. A fotografia 360° foi bastante solicitada e o verso de Milton Nascimento, “Todo artista tem de ir aonde o povo está”, provou-se mais atual do que nunca.

Talvez 2020 tenha representado, entre outras coisas, o ano da imersão. Imersão em nós mesmos e imersão na miríade de conteúdos que nos foram disponibilizados. E aqui eu vou aproveitar o gancho para entrar no assunto da fotografia 360°. Ela não é bem uma novidade, mas seu uso tem sido bastante explorado nos últimos anos. Do Google Street View e Arts and Culture até os anúncios de hotéis, imóveis e viagens, a ideia é a imersão do espectador. É produzir uma experiência de quase transporte para aquele local. Não por acaso precisamos jogar o bonequinho do Google Maps no lugar onde queremos o Street View.

Essa imersão já vem sendo praticada há algum tempo. Desde as primeiras projeções feitas com a lanterna mágica, passando pelos dioramas de Daguerre e posteriormente a própria fotografia e o cinema, as fotografias estereoscópicas, que produzem um efeito 3D para o observador, a fotografia panorâmica, o saudoso Cine 2000, do Playcenter, com a sua enorme estrutura geodésica e tela 180°, todos os simuladores que misturam imagem e movimento até os óculos de realidade virtual. As técnicas e usos evoluíram bastante, mas a ideia de provocar uma experiência imersiva continua.

 

Fotografia 360
Lanterna Mágica – Photo Andreas Praefcke – Fotografia própria – Wikimedia Commons | A sensação de movimento na projeção era feita pelo deslocamento do vidro pintado.

 

Fotografia 360
Diorama de Daguerre y Bouton 1822 – Wikimedia Commons | Uma tela pintada dos dois lados. A cena mudava de acordo com a iluminação que poderia ser feita de frente ou verso e conferia uma sensação de antes e depois ao espectador.

 

Fotografia 360
Cine 2000 do Playcenter – Acervo Estadão | O público assistia de pé e a tela 180 parecia englobar as pessoas que tinham a impressão de estar no filme.

 

Abaixo vamos ver alguns aplicativos e programas para explorar a fotografia 360°. Como vocês já devem estar acostumadas/os existem aplicativos gratuitos e pagos. Geralmente os apps gratuitos vêm com funções limitadas de maneira a fazer com que a/o usuária/o sinta-se impelida/o a fazer o upgrade para a versão PRO, isso é de praxe. É preciso alertar que necessidades diferentes requerem equipamentos e acessórios específicos. Podemos utilizar apenas a câmera do celular ou recorrer a lentes e dispositivos disponíveis para cada modelo. Temos ainda a possibilidade de utilizar uma câmera DSLR que exigirá, pelo menos, lente, tripé/monopé com nível bolha e pós-produção. E por fim as câmeras 360 específicas para esse tipo de imagem, mas ainda temos poucos modelos com o preço bem salgado. Vale à pena fazer a lista de prós e contras antes de fazer qualquer investimento.

Desktop

Começamos com softwares para desktop/note que serão utilizados para fazer a “costura” das fotos. Sim, quando utilizamos uma DSLR, por exemplo, precisamos tirar as fotos em sequência, com sobreposição, de maneira a contemplar a volta completa (fotos feitas com celular também podem ser trabalhadas aqui, é só um exemplo). Uma lente grande angular pode reduzir o número de disparos necessários, mas diria que no mínimo umas quatro imagens precisarão ser capturadas. É por isso que utilizamos um tripé (ou monopé) que tenha cabeça com giro 360 e nível bolha (pelo menos). Com o nosso querido (ou nem tanto!) Photoshop você consegue criar uma visão panorâmica com a ferramenta Photomerge. Fuçando na internet encontrei o PTGui que promete a criação de panoramas (esférico, gigapixel, HDR e Little Planet) com qualidade e rapidez. Ele tem a versão de teste gratuita que não expira, mas coloca uma marca d’água visível nas imagens. Vale a pena fazer o teste para ver se compensa comprar a licença.

Obs: essas imagens deverão ir para uma plataforma adequada para serem compartilhadas e visualizadas corretamente. Por exemplo, a Meu passeio virtual oferece esse serviço e possui um teste gratuito.

Smartphone:

1) Bimostitch Panorama Stitcher (Android): para quem quer começar a aventura no mundo 360 este app é ideal. O funcionamento é o padrão, costurar as imagens captadas pela câmera para produzir o panorama. A costura pode levar alguns minutos, então tenha paciência. Tem a versão gratuita, bem básica mesmo, e a versão PRO com mais recursos.

Fotografia 360

2) Nodalview: photo, 360 & vídeo (Android | iOS): de acordo com a descrição do app ele oferece uma solução simples e completa para criar visuais imobiliários deslumbrantes. Com várias funções inclusas a empresa ainda tem um webinar de treinamento e também vende acessórios para a produção do “tour virtual”.

Fotografia 360

3) Glo3D | 360 Product Photography (Android | iOS | Desktop): este é um pouco diferente, mas não deixa de ser uma possibilidade interessante. Ele produz fotos 360 de produtos, desde pequenos objetos até carros. Inclui as funções de captura, edição e incorporação das fotos e ressalta que as imagens de produtos captadas em 360 possuem uma ótima performance de vendas nos sites e redes.

Fotografia 360

4) Viewmake – VR 360 Photo Editor HD (Android): com ele você cria e gerencia “virtual tours” com fotos feitas em 360 que são importadas da galeria ou feitas em tempo real. Trabalha com geolocalização em conjunto com o Street View. Gratuito. https://viewmake.com/en

Fotografia 360

5) DMD Panorama (Android | iOS | Desktop): conforme descrito, com ele você irá criar e compartilhar imagens panorâmicas com incrível rapidez por meio de um sistema de captura totalmente automatizado.

Fotografia 360

 

6) theVRkit (Android | iOS): o app é gratuito, mas você precisa comprar a lente fish-eye deles para captar panoramas esféricos 360. De acordo com a descrição é ótimo tanto para os panoramas quanto para a produção de “virtual tours”.

Fotografia 360

 

7) 360 Panorama (pago) (iOS): além de costurar seu panorama ele promete qualidade, rapidez e beleza. A imagens podem ser compartilhadas nas redes e ainda ficarem salvas de maneira gratuita e segura online.

Fotografia 360

 

8) Virtual Tours & Panoramas: P360 (Android | iOS): produção de panoramas e “virtual tours” com qualidade e rapidez. Pode trabalhar junto com o Street View. Além de compartilhar nas redes você pode incorporar aos sites ou blogs. Tem versão gratuita e a versão paga com mais recursos.

Fotografia 360

 

A seguir um exemplo de tour feita com a versão gratuita do P360 (iOS):

 

Fotografia 360
Imagem plana do tour

 

Fotografia 360
Mundo Minúsculo (Tiny/Little World)

 

Fizemos um breve passeio panorâmico pelo mundo 360 e vimos várias possibilidades. Reforço que é bom ficarem atentas/os para as especificações de aparelhos, lentes e demais dispositivos que cada app requer. Creio que mais do que nunca precisamos aprender novas maneiras de ver e capturar o mundo ao nosso redor. Não sabemos ao certo quanto tempo ainda durará essa necessidade de distanciamento, mas se a gente puder ter em mãos ferramentas que nos possibilitem dividir momentos importantes e felizes, paisagens diferentes, ainda que seja nossa própria casa, com nossos entes queridos e demais pessoas, trabalhar ou mesmo que nos façam vislumbrar novas opções de atuação e criação, nossos dias serão mais amenos e a espera será um pouco menos dura. Continuem se cuidando e cuidando dos demais e até semana que vem.

Os tours virtuais são importantes não apenas no contexto da pandemia, mas também por proporcionarem o acesso e a possibilidade, ainda que remota, de pessoas que estão distantes conhecer espaços e exposições:

Atualizado em: 05/02/2021

Escrito por

Tem se dedicado aos estudos de fotografia e imagem desde 2005. Está sempre com os olhos abertos, ouvidos atentos, imaginação fértil e a língua afiada.